Artigo
Categorias

Que as vendas digitais tem ano após ano ganho cada vez mais seu espaço nas companhias, não é novidade, mas o fato é que a necessidade de evolução tecnológica e inovação para se tornar competitivo no mercado trouxe o canais digitais como: e commerce e Marketplace como algo essencial para as empresas, podemos inclusive colocar como um fator de “sobrevivência”. Considerando que o crescimento do setor de e-commerce movimentou R$30 bilhões somente no 1º semestre de 2020, 56% de crescimento em comparação com o mesmo período do ano anterior, a venda digital se torna um grande universo de oportunidades.

Dentro dessas oportunidades se falarmos de Marketplaces, que detém 78% dos R$30Bi movimentado, podemos considerar que é uma das maiores tendências para os próximos anos, isso porque já se vê uma movimentação de grandes players de mercado buscando construir seu próprio canal Marketplace, que traz para essas marcas a oportunidade de escalar suas vendas através de sellers que vendem pelo canal, categorias de produtos e penetração de mercado.

Neste post você terá um overview das expectativas que pode esperar caso esteja decidindo montar seu próprio Marketplace. A ideia é falamos um pouco dos tópicos seguintes:

– Principais players do mercado;
– Vender em marketplace x ser marketplace
– Dicas de como começar;

Principais players do mercado:
Quando falamos em Marketplace não podemos deixar de citar alguns que hoje são destaque, quando falamos de venda de produtos:

1) Amazon:

Quando falamos de players globais não podemos deixar de falar da Amazon.com, fundada em 1994 por Jeff Bezos, a Amazon tem como um de seus carros chefes o Marketplace, que tem cada vez mais ganhado penetração no mercado Brasileiro. O canal é conhecido principalmente pela excelência em vendas de produtos eletrônicos e livros.

Outro ponto interessante sobre a Amazon é que ela atua como seller também, vendendo produtos de terceiros em seu próprio Marketplace, o que além de trazer maior movimentação de faturamento para todo o Ecossistema, também traz mais uma fonte de faturamento da empresa quando falamos de venda online.

2) Shopee

Com sede em Singapura, e forte penetração no mercado asiático (Malásia, Tailândia, Taiwan, Indonésia, Vietnã, Filipinas) a Shopee escolheu o Brasil como primeiro país para expansão fora do eixo oriental.

3) Mercado Livre

A empresa que em agosto de 2020 foi dada como a mais valiosa da América Latina chegando ao valor de US$60 bi é tida como a principal player do mercado brasiliero. Pioneira no país, a empresa Argentina Mercado Livre oferece ao sellers além de uma expertise de muitos anos de conhecimento do mercado, o que se traduz em tecnologia, evolução da plataforma, regras e etc, uma gama de serviços complementares.

Para vender no Mercado Livre é necessário que se faça o processo de aprovação na plataforma, ou você pode usar “marketplaces dentro de marketplaces”, empresas que oferecem seus contratos e integração com Marketplaces para facilitar a entrada do seller no canal de vendas, são comparadas a grandes lojas de departamento.

Saiba mais em como vender no Mercado Livre.

4) B2W

A B2W tem em seu guarda-chuva marcas: Lojas Americanas, Submarino e Shoptime, marcas de extrema expressão no varejo e de grande confiança do consumidor online, e traz para o seller esse “benefício” quando anunciado os produtos. A empresa tem mostrado uma aceleração impressionante nos últimos anos e tem mostrado bom crescimento de mercado com foco em inovação de tecnologia.

A B2W é outro player que permite a facilidade de utilização dos “marketplaces dentro dos marketplaces”.

Saiba como vender na B2W.

5) Via Varejo

Com Casas Bahia e Extra em seu portfólio, a Via Varejo é outro player que vem buscando seu “lugar ao sol” no mundo dos Marketplaces e tem tido bons resultados impulsionados pelos últimos acontecimentos globais.

Saiba como vender na Via Varejo.

6) Carrefour

Carrefour é outro velho conhecido do consumidor offline que entrou na “corrida” para ser uns dos destaques de Marketplace no Brasil, focando em soluções e melhorias internas de tecnologia para ter ainda mais competitividade no mercado.

Saiba como vender no Carrefour.

7) Magalu

Um dos maiores destaques como evolução de marca e ganho de audiência digital a Magalu investe não somente em Marketplace, mas também em fortalecimento de sua plataforma digital, gerando empatia do público com a marca, trazendo assim um crescimento muito grande em vendas em seus canais digitais.

Além dos Marketplaces que vem “quase tudo” como produto, temos bons exemplos de exponenciais de mercado quando falamos de Marketplaces de nicho, outra grande tendência quando trazemos em pauta discussões sobre o canal. Para nichos temos um bom exemplo que estive em alta nos últimos tempos.

8) Madeira Madeira

Madeira Madeira: empresa que é especialista no nicho de móveis, abre IPO em janeiro de 2021 e diz ao mercado o seu potencial. Além de iniciar a estratégia de produção própria, a companhia também aloca investimento para lojas físicas, visando uma operação Omnichannel.

Que temos vários exemplos positivos desse modelo de negócio, não restam dúvidas, o que boa parte das empresas se perguntam é: por onde devo começar? Devo vender em Marketplaces ou montar meu Marketplace próprio? No próximo tópico desse artigo vamos te passar alguns pontos importantes a se considerar para tirar essa dúvida. Então vamos lá!

Vender em marketplace x ser marketplace (vantagens e desvantagens)
Um ponto que deve ficar claro é que ter seu próprio Marketplace não anula a possibilidade de que você venda em outros canais como os Marketplaces que citamos no último tópico, muito pelo contrário, a expansão de canais é necessária e se torna interessante quando falamos em ganho de escala de audiência e vendas. Outro ponto importante é que você tendo seu canal próprio, deve-se considerar que você também se torne um de seus sellers em certo momento, estratégia utilizada por muitos para aumento do faturamento da empresa.

Para mergulhar de cabeça nesse universo de Marketplaces é importante entender a maturidade de negócio que você está e considerar alguns pontos:

– Penetração da sua marca dentro do nicho que pretende atuar. Pense que sua marca será responsável por trazer todo o tráfego de consumidores para comprar os produtos publicados pelos sellers em sua plataforma;
– Densidade de lojistas, quanto mais lojistas, mais seu canal irá faturar. Nesse quesito saber como irá atrair esse público para vender em seu Marketplace e como irá gerir os resultados é crucial para o sucesso;
– Parceiros estratégicos de tecnologia. Pensar em plataforma de Marketplace, split de pagamento, integração logística, integração com sistema dos sellers e como todo esse ecossistema irá se conectar através de um seller center devem estar no planejamento. Entenda mais sobre o Seller Center aqui.
– Tenha uma empresa especialista para te apoiar na arquitetura do projeto e em indicações dos melhores fornecedores.

Em resumo, em algum momento da sua jornada de vendas em canais digitais você irá vender em um Marketplace, se tornar um marketplace ou os dois o que nos leva a deixar uma provocação. O assunto Marketplace é ou já foi pauta de alguma reunião da sua companhia? Como grande marca você deve olhar para essa tendência e entender como o marketplace pode se tornar um canal de vendas com grande potencial de escala para sua companhia.

Tem alguma dúvida sobre o assunto ou gostaria de conversar com um especialista em Marketplace, você pode nos chamar através do link. Nosso time terá o prazer de te ajudar com os próximos passos.

Artigos Relacionados
E-commerce Driven.cx & VTEX: Personalização de Facas

Há mais de 100 anos a Tramontina faz parte da vida dos brasileiros. A ferramentaria fundada em Carlos Barbosa no início do século passado, hoje atua em mais de 120 países com um portfólio de produtos de 18.000 SKUs em categorias tão diversas quanto utilidades domésticas, eletro, móveis de madeira e plástico, equipamentos para cozinhas industriais, materiais elétricos, ferramentas para agricultura e jardinagem e muito mais.